SIGA-NOS NA PÁGINA DE FÃS FAÇA GOSTO

ACHOU O SITE INTERESSANTE?FAÇA G+1

Marque Consulta

Psicoterapia Lisboa

Ligue
914375055
ou Preencha o Formulário



Valores Consulta Psicologia e Psicoterapia

Psicoterapia Individual Adultos:

€35 das 10h às 21h

Terapia de Casal

€40 das 10h às 21h



Dr. Pedro Albuquerque
Diretor Clínico
Psicólogo Clínico Adultos
Terapeuta Casal

ansiedade


Dificuldade SonoCriancas

Sono Problemas na Infancia

Perturbações do Sono em Crianças e Adolescentes

Estima-se que cerca de 30% das crianças sofrerão de perturbação do sono em algum momento da sua infância.

As perturbações do sono têm consequências tanto no ajustamento emocional e social como no desempenho escolar pelo que é importante que os pais entendam como funciona o sono e de que forma as perturbações nos padrões normais do sono podem afectar crianças e adolescentes.

Tipos de padrões de sono

O sono é classificado em dois tipos: REM (movimento rápido dos olhos) e não-REM (NREM). Ao estudar os padrões das ondas cerebrais, sabemos que o sono NREM tem várias etapas, desde a sonolência até ao sono profundo. Nas fases iniciais (fases I e II), a pessoa acorda facilmente e pode não ter consciência de que esteve a dormir. Nas fases mais profundas (fases III e IV) a pessoa tem muita dificuldade em acordar e se for acordado é provável que se sinta desorientado e confuso.

No sono NREM os músculos estão mais relaxados do que no estado de acordado, mas a pessoa consegue mexer-se.

O sono REM é mais activo. A respiração e o ritmo do cardíaco tornam-se irregulares, os olhos movem-se rapidamente e o controlo da temperatura corporal é restrito. Do pescoço para baixo a pessoa está inactiva já que os impulsos nervosos que viajam da medula espinhal para os músculos do corpo estão bloqueados. É durante esta fase do sono que a pessoa sonha.

Os estados de sono desenvolvem-se na gravidez. À medida que os bebés se desenvolvem, passam a dormir mais à noite e a ter menos períodos de sono durante o dia. Os recém-nascidos dormem quase todo o dia e a partir dos 6 meses dormem cerca de 13 horas por dia. Por volta dos 24 meses dormem cerca de 12 horas e aos 4 anos entre 10 a 12 horas diárias. Ao longo da infância, as crianças dormem cerca de 10 horas por noite o que diminui significativamente na adolescência, não tanto por razões biológicas mas essencialmente por razões sócio-culturais.

Os padrões de sono dos adolescentes são importantes devido ao potencial impacto no desempenho escolar. Com o início da puberdade, os adolescentes começam a experimentar uma tendência para se deitarem mais tarde e acordarem também mais tarde. Mesmo os jovens que sofreram de privação de sono (e, portanto, acumularam o débito do sono) tendem a sentir-se mais alerta à noite.

O início do sono é provocado pela libertação da melatonina, uma hormona natural do organismo. A caminho da madrugada, a melatonina deixa de se libertar e a libertação do cortisol aumenta, dando sinais ao jovem que chegou a hora de despertar. As escolas com horários de início precoce ( antes das 8h30) colocam os estudantes em desvantagem em termos de activação e alerta, não só para as aulas da manhã mas para todo o dia, havendo assincronia entre os ritmos biológicos e as rotinas escolares.

Algumas perturbações do sono são suaves, comuns e relativamente fáceis de tratar mas existem outras que podem ser sinais de possíveis problemas físicos e que podem gerar consequências a longo prazo se não forem tratadas.

Tipos de perturbações do sono

Terrores nocturnos
Os terrores nocturnos prendem-se com uma excitação súbita associada a explosões emocionais, tais como o medo e a actividade motora. São mais frequentes na faixa etária entre os 4 e os 8 anos e dão-se durante a fase de sono NREM. A criança não tem memória dos terrores nocturnos quando acorda. Se a criança tiver terrores nocturnos, certifique-se que a mesma está confortável, mas não a acorde.

Sonambulismo
O sonambulismo é mais comum entre os 8 e os 12 anos de idade. Normalmente, a criança senta-se na cama com os olhos abertos mas sem ver, ou anda pela casa.Tem um discurso ininteligível e rabugento. Esta perturbação tende a ser superada na adolescência. Os pais devem tomar medidas de precaução, como fechar portas e janelas mas não devem interferir activamente nos episódios.

Enurese Nocturna
Este tipo de incontinência urinária é um problema do sono comum em crianças entre os 6 e os 12 anos, ocorrendo apenas durante o sono NREM. A enurese primária (a criança nunca deixou de fazer xixi na cama) pode estar associada a heranças familiares, a uma lentificação no desenvolvimento, ou a uma menor capacidade da bexiga. A enurese secundária (a recorrência da incontinência urinária após um ano ou mais da aquisição do controlo da bexiga) está normalmente associada ao stress emocional. Deve-se intervir em ambos os casos, sendo que no caso na enurese secundária o apoio psicoterapêutico é fundamental.

Ansiedade para adormecer
A ansiedade para adormecer deve-se aos medos ou preocupações excessivas. O problema pode ser causado por acontecimentos stressantes, por trauma, ou devido à ruminação das questões comuns do dia-a-dia. Este tipo de problemática é mais comum nas crianças em idade escolar. As estratégias de intervenção incluem a promoção da tranquilidade através de rotinas calmas na hora de deitar e o apoio psicoterapêutico para criação de condições que permitam à criança enfrentar os seus medos e as suas preocupações.

Apneia
Embora seja mais comum em adultos, 1 a 3% das crianças têm dificuldades de respiração devido à passagem do ar estar obstruída. Os sintomas incluem o ressonar, dificuldade para respirar durante o sono, respiração bucal durante o sono ou sonolência excessiva diurna.

Narcolepsia
É uma perturbação rara de base neurológica genética que pode incluir ataques de sono (irresistíveis impulsos de sono), o início da paralisia do sono ou alucinações do sono. Afecta 1 em cada 2000 adultos e pode surgir pela primeira vez na adolescência.

Síndrome de fase de sono retardada
Perturbação do ritmo de sono (circadiano) que resulta numa incapacidade em dormir num horário normal (o início do sono pode ser adiado 2 a 4 horas horas) e tem como resultado dificuldade em despertar de manhã. Os sintomas nas crianças incluem sonolência diurna excessiva, dormir até tarde nos finais de semana e mau desempenho escolar.

Para as Famílias

As perturbações do sono não só afectam o rendimento escolar como também afectam o bem-estar da criança/adolescente em casa. Este tipo de perturbação compromete o descanso de toda a família, criando um ciclo de irritabilidade e falta de paciência comum a todos os elementos da família.

Se suspeita que o seu filho tem um problema do sono que vai mais além de alguns pesadelos ou noites mal dormidas não hesite em procurar ajuda. Quanto mais cedo o problema for identificado e tratado, mais rapidamente a rotina normal do sono será restabelecida para toda a família.

Procure o quanto antes apoio psicoterapêutico para a criança/adolescente e apoio médico pediátrico para que a problemática do sono não deixe sequelas irreversíveis no processo de desenvolvimento.